sexta-feira, 3 de fevereiro de 2012

Amores que duram para sempre.

Eu me pergunto se tem caso de amor que dura para sempre. Eu sei que eu deveria acreditar no amor para sempre, e uma parte de mim eu sei que acredita. Mas eu falo daquela coisa do amor que te deixa de cama, no bom e no mau sentido. Aquele friozinho na barriga de quando ele ou ela vem falar contigo, e tu não consegue sentir mais nada além de tudo se revirando ali dentro. Aquele "frisson" de quando ele ou ela te abraça, e tu esquece de tudo, dos problemas e das soluções. Aquele brilho nos olhos de quando tu está esperando por ele ou ela, e eis que surge a luz lá longe, e tu não consegue disfarçar o sorriso no canto da boca. Eu falo de quando tu recebe uma mensagem dele ou dela, e todo mundo sabe de quem é. Até quem te vê na fila do pão, ou lendo jornal, como já disse o barbudo lá.
Eu me pergunto porque o mundo me faz acreditar que tudo que bom dura pouco, que toda relação esfria, e que a gente acaba se acostumando com tudo. Não quero que acabe, não quero me acostumar, não quero esfriar. Sou quente, quente porque meu sangue corre pelas veias e porque estou sempre em movimento. Quando (e se) você me vir parada olhando fixamente para algum lugar, pode ter certeza que não vai demorar muito para eu colocar algum plano meu em prática. E não tem pra esperar a segunda-feira pra começar alguma coisa, a hora é agora.
Espero que a vida me faça discordar do resto do mundo e me faça apreciar essa não-fazer-parte. Que o mundo pense positivo por nós e que tudo dê certo. Amém.

2 Falatórios:

ES disse...

Inconfundível inquietude mais do que admirável!

BellyMarques disse...

menina não sabia que você tava de blog, que surpresa boa!
e viva a constante inquietação! é assim que a gente se move. :)
beijinhos, te sigo agr!

Postar um comentário